E quando se chega em Roma?

por Nicole Melhado Ramos
Il colosseo
É verdade, quem tem boca vai a Roma, mas o que fazer quando se chega lá? Bem, a primeira coisa ao sair do aeroporto é dirigir-se ao ROMA TERMINI, do aeroporto FIUMICINO a passagem de trem sai por 11 euros. Não se esqueça de “timbrare” seu bilhete em uma das maquininhas que ficam logo no começo da plataforma de embarque. Ao chegar ao ROMA TERMINI você encontrará vários “agentes” que divulgam albergues e hotéis dos mais variados níveis, lá também são disponibilizados mapas da cidade. No hostelling a hospedagem em quartos coletivos sai por 17 euros ao dia por pessoa. Muitos moradores da cidade disponibilizam quartos por até 20 euros por pessoas com direito ao café da manhã e quarto individual. Muitos deles bem perto do próprio terminal.Roma é uma cidade grandiosa, dividida em regiões marcadas por períodos históricos diferentes. Programe-se para pelo menos três dias para conhecê-la bem. E ai vai um conselho: busque saber mais, ler, pesquisar a histórias dos lugares onde pretende conhecer, principalmente na Europa, se não nada fará sentido pra você.Com ruínas de mais de 300 anos antes de Cristo como o Fórum Romano, O Templo de Saturno, O Templo de Júlio César e outras preciosidades do período romano encontram-se espalhadas no oeste e leste. Por toda cidade encontram-se pizzarias populares onde o preço é cotado por peso e “questa si è la vera pizza italiana!” .
Colosseo
A entrada para o famoso Colosseo custa 11 euros, e não é aceito carteirinhas de estudantes de não-europeus. Um dos principais pontos turísticos da cidade não é tão grande como mostram os filmes, mas impressiona sua arquitetura milenar e curiosidades como uma “vomitródomo”, imagine este como Maracanã da época, os gladiadores eram os craques, escravos que lutavam, mas tinham suas bajulações. Ao redor do Colosseo divertidos atores tiram fotos e fazem cenas com o público.Ao norte da cidade está a Piazza di Spagna e toda Roma do século XVIII com elegantes restaurantes, hotéis e diversos estabelecimentos de comércio, principalmente lojas de grifes. Não muito longe, está a famosa Fontana di Trevi, é lá que todo mundo tira. Não deixe de jogar sua moeda na fonte fazendo o desejo de retornar a Roma. Você pode passear pela cidade a pé ou de metro, cada viagem no sistema metrebus custa um euro, e é só comprar em uma das diversas máquinas nos metros ou nos caixas.

Basilica San Paolo

Existem diversas igrejas pela cidade, cada uma retrata uma época e um ponto da espiritualidade cristã diferentes, destacam-se a igreja Santa Maria Maggiore e a não muito conhecida Basílica de San Paolo – o discípulo dos pagãos. O Estado do Vaticano está longe do centro da cidade, onde na Roma antiga era uma arena de cavalos e um cemitério de executados. Acredita-se que a Basilica di San Pietro foi construída sobre a sepultura do discípulo, bem como a de San Paolo. Chegue cedo para conhecer o Vaticano, as filas costumam-se serem grandes tanto na Basilica di San Pietro como no Museo do Vaticano. A entrada na basílica é grátis e a entrada do museu é oito euros para estudantes de qualquer lugar do mundo. Além da inigualável Capela Sistina de Michelangelo – que ilustra o antigo testamento – diversos mapas e jóias da igreja, o museu guarda uma coletânea de iguarias do mundo como múmias do Museu Egípcio.

Para quem quer relaxar e gosta de arte, finalize seu passeio por Roma no Parque Borghese, que lembra muito o Central Park. Poucos turistas conhecem e no fim da tarde muitos levam seus cachorros para passear, alguns vão fazer exercícios físicos, levam as crianças para brincar… Dentro do parque há um belíssimo zoológico, e entre os museus do parque, o principal deles é a Galleria Borghese, com obras de Bernini, Caravaggio e Rafaello. A entradado museo custa 13 euros, mas vale a pena, os passeios em seu interior são feitos por grupos acompanhados por monitores bilíngües.

Dá pra imaginar?

por Karina Ribeiro

Que a 20 km do centro de uma das maiores cidades do mundo, São Paulo, moradores recebem nos jardins de suas casas visitas diárias de alguns animais, que muita gente só vê no zoológico ou em desenho animado?

São eles: o tucano, famoso por ter um bico enorme; os gambás, que ao contrário do Pepe Le Pew, um gambá francês muito sedutor, não são tão “fedidos”, o líquido fétido produzido por suas glândulas axilares, somente é utilizado como defesa ou em fase de acasalamento; lembra do tico e teco? Os esquilos também são visitantes assíduos.

A Serra da Cantareira abraça a Cidade de São Paulo e proporciona aos amantes da natureza uma região onde podemos ter contato com um dos ecossistemas mais fascinantes do planeta: a Mata Atlântica. Mas se mesmo com todo esse atrativo ainda não despertou sua vontade de conhecer a maior floresta urbana nativa do mundo, acredite, a capital paulista ainda guarda incríveis surpresas embaixo das verdes copas das árvores.

Como o Parque Estadual da Serra da Cantareira. Com 7.916,52 hectares, o equivalente a quase 8.000 campos de futebol do tamanho do Morumbi (79 milhões de metros quadrados), o parque possui quatro núcleos de visitação para quem quiser descobrir o lado verde da capital paulista. Se você gosta de aventura, segue abaixo um roteiro das trilhas mais iradas da Serra da Cantareira. O acesso é gratuito!

Pedra Grande
Trilha da Pedra Grande: com 9500m de percurso íngreme.

Engordador
Trilha de Mountain Bike: com 1400m de percurso variando de leve a íngreme.

Águas Claras
Trilha das Araucárias: com 1250m toda ladeada de pinheiros-do-paraná, única espécie de pinheiro nativa do Brasil;

Existem muitas opções, bicicleta, moto, jipe, nos finais de semana e em dias de lua cheia, no verão ou inverno, alguns grupos se reúnem para explorar as trilhas da Serra da Cantareira.

A noitinha, uma opção para relaxar e curtir com a família ou namorada (o) na Serra são os barzinhos e restaurantes aconchegantes. Com uma vista deslumbrante, o Empório da Serra tem chocolate e vinho-quente, como os mais pedidos da casa.

É de dar água na boca!

Aperfeiçoando o mochileiro que há em nós!

por Renata Ribeiro

A proposta do blog é simples: ajudar você, mochileiro, a descobrir novos lugares, enquanto fazemos o mesmo. Por outro lado é instigar aqueles que pensam que precisam de ir muito longe para garantir uma boa viagem e de que para isso é necessário muito dinheiro. Queremos buscar passeios alternativos para quem tem pouco dinheiro. Os links de sites ao lado nos serão muito úteis. Queremos também linkar você com outras pessoas que tem a mesma intenção. Pessoas como Juliano Paes, que tem um blog com depoimentos de viagens maneiras para lugares mais distantes, serão bons exemplos. (http://juliano paes.vilabol.uol.com.br/). Mas queremos também propor atividades mais próximas, como um passeio diferente por São Paulo àqueles paulistanos que não conhecem bem sua cidade. Vide blog da Karla:

http://blog.cybershark.net/carla/2006/07/29/e-fomos-ao-passeio-pelo-centro-de-so-paulo

Olá mundo!

por William Maia

Olá, você que está acessando este humilde Blog em qualquer lugar deste planeta azul. Seja bem vindo ao ‘Osmochileiros’! Pelo nome você jé deve imaginar do que se trata, mas não custa fazer uma pequena apresentação:

Somos 5 estudantes de jornalismo duros (alguns mais, outros menos) e sem PAItrocínio, mas que nem por isso deixamos de lado a vontade de viajar e conhecer o mundo. Já dizia aquele pré-histórico ditado: “quem tem boca vai a Roma”, ou ao Bexiga, à Paranapiacaba, ou à Bahia, diria eu. Basta um espírito jovem, vontade e uma mochila nas costas.

Aqui você vai encontrar dicas de roteiro, pousadas, albergues, restaurantes, um manual da carona, além de relatos das nossas (e das suas, por que não?) aventuras mochileiras.

É isso!